Padre Germán celebra sua primeira missa na Paróquia Cristo Rei

Ação de graças, oração, vocação e emoção marcaram a primeira missa celebrada pelo padre Germán Eduardo Machado Córdova, neste domingo (2), na Paróquia Cristo Rei. Acompanhado pelo pároco, padre Claudemir Andrade, padre Mateus Camuege e padre Julio Murillo, reitor do seminário diocesano de Lima no Peru,  a celebração envolveu a comunidade e os familiares em momento solene, de oração pela vida e vocação do novo padre, ordenado no sábado (1º) pelo Cardeal Dom Sérgio da Rocha, arcebispo de Brasília.

Mais de 500 pessoas fiéis foram à missa apoiar o jovem padre que escolheu seguir o chamado e o caminho de Jesus Cristo e se colocar à disposição da Igreja para servir.

Ao iniciar a celebração, Germán apresentou sua família, onde estava presente sua mãe Julia Daniela Córdova Figueroa, sua irmã Milagros e demais familiares e amigos que vieram de Lima, Peru, terra natal do padre. Ele agradeceu a todos e disse da sua alegria de estar celebrando.

“Eu falo para vocês: o Senhor é verdade. Se hoje estás aqui é por que Ele te livrou de algum temor. Não tenham medo de arriscar. Deus quer te fazer membro se sua Igreja. Para mim é uma grande alegria. Ontem fui ordenado padre, é uma grande alegria.  Tive que passar pelos sofrimentos para estar aqui. A força não vem de mim para aguentar estes nove anos de preparação. Mas diante do sofrimento, da tribulação, poder olhar para Cristo é o melhor que podemos fazer. Se não fosse alguns irmãos eu não estaria aqui”, disse Germán, encorajando a todos a serem verdadeiros membros da Igreja de Cristo.

O pároco padre Claudemir, ao se dirigir ao novo padre, disse do seu tamanho zelo e trabalho realizado na Paróquia Cristo. “Germán é uma pessoa discreta e de oração. Tem sido um presente para nós nestes últimos dias”, disse Claudemir ao agradecer e anunciar que Germán irá servir na Paróquia Beato José Alamano, na Samambaia.

Ao final da missa os fiéis formaram filas para beijar a mão do novo padre, que foram consagradas pelos óleos do Crisma. Além disso, as mãos do padre administram o poder e a graça de Deus na Eucaristia, o perdão dos pecados e a transmissão dos sacramentos. Por isso é que se beija a mão do sacerdote, porque essa mão está cheia do poder de Deus, de indulgencias plenárias, conforme explicou padre Claudemir antes deste gesto de humildade.

“Seja sacerdote santo, segundo o coração de Deus”, conforme frisou Dom Sérgio da Rocha, durante a ordenação do padre Germán e mais seis novos padres.

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

arrow